Inspiração

Dia Internacional da Paz: 5 ações por um mundo melhor

21/09/2016

lpa-dia-da-paz-2

Hoje, dia 21 de Setembro, é o Dia Internacional da Paz, declarado pela ONU em 1981. Vivemos em uma época em que nossa visão de mundo precisa ser imposta aos outros, em que conflitos ocorrem devido às diferentes formas de enxergar a vida e em que o respeito (ainda) não é a base da comunicação e dos relacionamentos. Mas será que não há como sermos pessoas melhores conosco e com a comunidade que nos cerca?

Para celebrar este dia, trouxe 5 reflexões que podemos observar sobre nossas atitudes que, colocadas em prática podem melhorar a nossa convivência em sociedade e nos deixam mais leves e felizes.

 1. Aceitar que o mundo é múltiplo

Exatamente. Já parou pra pensar que a sua verdade pode não ser a mesma verdade do outro? Que você tem uma bagagem cultural e histórico de vida completamente diferente das outras pessoas? Não, isso não é ruim. Muito pelo contrário, a diversidade é uma dádiva e tudo o que devemos fazer é respeitar a opinião e a forma de enxergar o mundo do outro.

Ter empatia é se colocar no lugar de alguém, e no momento em que fazemos esse exercício, podemos compreender melhor os motivos pelos quais muitos pensam de forma diferente. Portanto, vamos tentar julgar menos e tentar respeitar mais quem não compartilha da mesma opinião?

2. Escutar mais, falar menos

Tem aquela famosa frase que diz: “o homem foi criado com dois ouvidos e uma boca para escutarmos mais e falarmos menos” e vou confessar que concordo demais com essa afirmação. Na maioria dos diálogos, não damos espaço para o outro ser escutado. Geralmente já estamos formulando uma resposta enquanto o outro fala, deixando de fazer um exercício simples que é ficar em silêncio de verdade – inclusive mentalmente – para tentar compreender e absorver o que estão tentando nos passar.

Diálogos truncados são comuns quando, ao invés de ouvirmos em silêncio, ligamos o nosso falatório mental enquanto não chega o nosso turno da fala. Muitos conflitos e falhas de comunicação poderiam ser evitados caso prestássemos atenção plenamente na mensagem que estão nos transmitindo. Portanto, escutar em silêncio e atentamente é, além de uma forma mais eficiente de comunicar-se, uma maneira de demonstrar carinho e empatia, além de desenvolvermos a comunicação não-violenta.

3. Respeitar as diferentes fés

Como falado anteriormente, vivemos em um mundo plural, com diversas possibilidades e culturas riquíssimas. Logo, por que justamente a sua religião é a única que “funciona”? Por que seu Deus é o único verdadeiro, se há diferentes manifestações culturais ligadas à fé desenvolvidas ao longo da existência humana?

Além disso, religião é uma estrutura, podemos até fazer com que o outro passe a frequentar e a se associar com membros de uma determinada igreja, mas a fé é algo tão interno, tão pessoal, que deveríamos respeitar o fato de que ninguém é obrigado a acreditar no mesmo que acreditamos. Aliás, deveríamos respeitar – e não tentar convencer – que o outro pode ter fé num Deus A, B, C, ou sequer acreditar. E está tudo ok. Ninguém é melhor ou pior por acreditar ou desacreditar em algo. Religião não define caráter.

lpa-dia-da-paz

4. Julgar menos, ajudar mais

Por mais que convivamos com alguém, jamais vamos saber o que de fato se passa na cabeça dessa pessoa. Se quando temos uma convivência próxima já é complicado opinar e dar conselhos, o que dizer de pessoas que sequer conhecemos, mas que já queremos opinar, criticar e julgar baseado em um pequeno detalhe, um recorte de uma situação que chegou até nós?

Cada ser humano está passando por um processo e quando direcionamos nosso olhar para apontar e criticar o outro, estamos deixando de olhar para nós mesmos. Criticamos a roupa, o modo de falar, orientação sexual, escolhas profissionais… debochamos de sotaques, rimos da falta de instrução, humilhamos os menos favorecidos… Quanto tempo perdemos apontando o dedo aos outros e não tentando melhorar a nós mesmos? Quanto tempo perdemos rebaixando o outro, quando poderíamos estar dando-lhe a mão?

5. Respirar antes de (re)agir

Muitas das nossas ações são realizadas no impulso. Rebatemos um comentário, reagimos agressivamente, nos desesperamos com determinadas situações e isso está relacionado ao nosso Sistema Nervoso Simpático (SNS), relacionado à luta ou fuga. Mas, o que aconteceria caso respirássemos, contássemos até 10 e tentássemos analisar as situações com clareza de mente antes de tomar uma atitude – muitas vezes drástica?

Muitas tragédias acontecem diariamente por causa da famosa “cabeça quente” entre os envolvidos. Brigas de trânsito, violência em casa, escola, ou trabalho poderiam ser evitadas caso não agíssemos completamente por impulso.

Por um mundo melhor…

Portanto, pela paz, podemos mudar nossas atitudes e tentar olhar mais para si. Respeitar a diversidade, a opinião e escolha dos outros, tentar julgar menos, saber escutar e não agir com impulsividade são apenas alguns pontos que podemos prestar atenção no nosso dia-a-dia a fim de não perpetuar um comportamento agressivo e desrespeitoso com o outro. Afinal, se não mudarmos nossas atitudes e pensamentos, jamais teremos aquele mundo melhor que tanto sonhamos.

“Somos nós, habitantes do planeta Terra. Filhos e filhas da Terra e do Sol. Somos a vida do planeta. Se nos unirmos, se nos cuidarmos, não precisaremos mais de armas, de drogas, de bebidas, de brigas feias, de guerras, de fronteiras, de barreiras. Há um caminho, um terceiro caminho – o Caminho da Cultura da Paz.”

Monja Coen, A Sabedoria da Transformação

imagem: Pixabay

Share on FacebookShare on Google+Share on TumblrTweet about this on Twitter

Feira Vegana Veg Borá – 3ª edição

19/09/2016

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Aconteceu, no último domingo (18), a terceira edição do Veg Borá no Rio de Janeiro, evento gastronômico vegano idealizado por Ysis Neves. Com entrada gratuita e quitutes com o valor máximo de R$ 20, a feira contou com a presença de marcas de cosméticos sustentáveis, livros sobre vegetarianismo e claro, muita comida boa.

A diferença entre a segunda edição e a terceira foi enorme: enquanto a anterior foi realizada em um espaço pequeno, contando com alguns estandes distribuídos em dois andares, esta ocorreu em um espaço amplo do ginásio esportivo da Associação Atlética de Vila Isabel, o que permitiu uma quantidade maior de expositores e visitantes.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Outro ponto positivo desta edição foi a reserva de um ambiente com mesas e cadeiras para que pudéssemos nos sentar e comer com calma. Na anterior, talvez a organização não tivesse previsto o grande sucesso do evento e não havia muitas cadeiras nem bancos, o que fez com que alguns visitantes comprassem a comida e logo fossem embora por não terem onde descansar.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande do Not Dog: nenhum animal precisa sofrer!

Entre os visitantes havia um público bem diversificado: veganos, vegetarianos, pessoas em busca de uma alimentação mais saudável e alguns curiosos que, mesmo não adotando a dieta vegetariana, aproveitaram o evento para conhecer e experimentar os lanches oferecidos. É o caso do engenheiro André Dias que, mesmo não sendo vegano, se identificou com a causa: “Considerei o evento bastante interessante, com alternativas, principalmente no aspecto alimentar, para uma  vida mais saudável demonstrando que podemos viver bem sem o sacrifício de outras vidas”. Sobre a organização, fez uma ressalva: “faltou maior número de barracas de bebidas e o ambiente era muito quente. Por ser um evento predominantemente alimentar, é necessário que haja uma maior ventilação”.

Apesar das ressalvas, provavelmente na próxima edição esses detalhes serão levados em consideração. Como dito anteriormente, a diferença do evento anterior para este foi muito grande, com muitas melhorias, e tenho certeza de que na próxima teremos muitas surpresas positivas.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

O evento também teve atrações diferentes, como o Desafio Ograno, no qual o participante tinha 3 minutos para comer um hambúrguer ogro vegano com o prêmio de R$ 100. Também teve o sorteio de uma tattoo no valor de R$ 300 feita por Luiz Calixto, tatuador vegano que utiliza apenas tintas sem ingredientes de origem animal.

Outra novidade é que o Veg Borá promoveu, em parceria com o Raiz Sustentabilidade, a coleta seletiva e destinação dos resíduos gerados no evento para a reciclagem. Tal ação gerou trabalho e renda para a cooperativa de catadores e promoveu a conscientização em relação à responsabilidade social e educação ambiental de seus visitantes.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande do acarajé vegano: um sucesso!

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande da Veg Fit: industrializados veganos.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Chopp artesanal, uma boa pedida para refrescar.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Produtos da marca ALIV: óleos essenciais e produtos para a pele.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Opções de sucos vivos e cafés especiais

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Equipe do Âme Ecostore: produtos veganos e cruelty-free de qualidade.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Eu e Cláudia Pequeno, amiga e aluna de yoga

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Amigos que encontrei pela feira vegana

A próxima edição do Veg Borá ainda não tem data divulgada mas certamente estarei lá cobrindo o evento e mostrando com mais detalhes as novidades veganas, cruelty-free e do bem para vocês. Mais uma vez parabéns aos organizadores, por levarem a consciência de que sim, podemos viver de forma a promover o bem-estar a todos os seres vivos.

Até a próxima!

Share on FacebookShare on Google+Share on TumblrTweet about this on Twitter
Beleza e Saúde

Produtos recebidos: Força da Terra

17/09/2016

forca-da-terra-26

Ontem mostrei lá no meu Snapchat (camileveg) e no Instagram a novidade que recebi de presente da Força da Terra: uma caixinha com alguns produtos cruelty-free e veganos da marca. Já faz tempo que uso algumas argilas e óleos essenciais deles – já até mostrei aqui – e eles acertaram em cheio, pois eu ainda não tinha experimentado nenhum dos produtos enviados. <3

O que veio na caixa:

1 // Argila Verde

forca-da-terra-45

A argila pode ser usada como máscara facial e corporal. A verde e a preta são ótimas para quem tem a pele oleosa, como no meu caso. Já tinha usado a rosa e gostei muito, mas a verde realmente senti que deixa a pele mais sequinha. Na embalagem informa que tem poder de absorção que proporciona sensação tensora e remove o excesso de oleosidade, tornando a pele macia e revitalizada.

forca-da-terra-2985

sem print, please! 😛

2 // Óleo Essencial de Tangerina

forca-da-terra-57

Pretendo fazer um post só desse óleo, como fiz com o de laranja. As propriedades são um pouco semelhantes, mas com algumas diferenças. Também encontrado por aí com o nome de mandarina, o óleo tem propriedades antissépticas e regenerativas quando usado na pele. Já no sistema nervoso, é muito bom para insônia, depressão e tensão nervosa.

A dica é usar associada à argila verde. Depois da mistura feita, pode pingar 2 ou 3 gotinhas de óleo de tangerina e misturar bem. A sensação é de refrescância e o bom é que não tem risco de irritar a pele. Só tem que tomar cuidado para não se expor ao sol após usá-lo, assim como qualquer tratamento usando ingredientes cítricos pois pode causar manchas ou irritações devido à exposição aos raios UV.

3 // Máscara Capilar Coquetel de Óleos

forca-da-terra-55

O mais legal do Força da Terra é que eles utilizam apenas ingredientes vegetais sem origem animal e são cruelty-free, mas além disso, não usam corantes, parabenos, petrolatos nem derivados do formol. Essa máscara tem uma combinação de óleos naturais de semente de uva, copaíba, amêndoas, abacate, andiroba e manteiga de karité ajudando na reconstrução capilar. Usei, deixei no cabelo com touca por uns 15 minutos e depois lavei. Aprovei! Meu cabelo deu uma boa hidratada – estava precisando, coitado – e senti que os fios ficaram mais soltinhos e leves.

forca-da-terra-52

comentei aqui no blog que aos Sábados (ou domingos) gosto de tirar um tempinho pra cuidar de mim, fazer uma faxina, organizar as coisas e planejar minha próxima semana. Acho muito importante termos um tempo pra nós mesmos, pra encontrarmos nosso equilíbrio e fazer coisas que gostamos.

E vocês, conhecem algum produto do Força da Terra? Como gostam de cuidar de vocês no tempo livre? Conte pra mim aqui nos comentários!

Share on FacebookShare on Google+Share on TumblrTweet about this on Twitter
Páginas12345... 129»